Como é trabalhar em uma cooperativa de crédito?

Alguns dias atrás, postamos aqui no blog como é trabalhar em um banco. Agora chegou a vez de contar como é trabalhar em uma cooperativa de crédito.

Para nos ajudar a entender um pouco mais sobre as Instituições Financeiras Cooperativas, entrevistamos dois profissionais da área. Ambos são Gerentes de uma cooperativa em expansão, e posso dizer que são ótimos exemplos de carreiras bem sucedidas.

Então vamos lá, sem demora, em mais um post para ajudar na sua decisão profissional.

Como é trabalhar em uma cooperativa de crédito?

cooperativa-credito-entrevistados

Nossos dois entrevistados quiseram manter seus nomes em sigilo. Como fiz no outro post, vou chamá-los por outros nomes. Deixa eu ver: vocês gostam de Carlos e Ana?

Pseudônimos definidos, vamos ao que interessa.

Sendo Gerentes de uma cooperativa, tanto Carlos quanto Ana assumem que conquistaram uma rara maturidade profissional. E isso, de acordo com eles, foi proporcionado graças ao ambiente acolhedor e humanista da cooperativa.

Carlos aponta que a principal diferença entre um banco e uma cooperativa é que, no segundo caso, as pessoas são tratadas como seres humanos, não como números. Sabemos que isso não pode ser generalizado, mas Ana também conta que encontrou vários amigos neste trabalho. Então não pode ser simplesmente coincidência, né?

Mais autonomia e voz nas decisões

Perguntamos aos nossos colegas sobre a autonomia de se trabalhar em uma cooperativa de crédito. Eles teriam mais liberdade do que no banco? Como é a relação com os clientes?

Antes de qualquer coisa, eles chamam os ‘clientes’ de associados. Isso demonstra um certo nível de intimidade e respeito da instituição com todas as pessoas que criarem vínculo com ela. Ana, por exemplo, diz que os associados têm acesso direto aos gerentes de conta e até mesmo aos gerentes da agência (algo relativamente raro nos bancos).

No quesito de autonomia, Carlos toca num ponto importante. Na cooperativa de crédito, é possível defender propostas da instituição participando dos comitês, e não somente aceitando algo pré-aprovado pelos cargos superiores.

Eu, particularmente, vejo isso com bons olhos. Uma instituição participativa, que escuta todos os seus colaboradores, tem tudo para dar certo.

Cobrança sobre metas na cooperativa

metas na cooperativa de crédito
Será que as pessoas perdem a cabeça nas cooperativas?

Ao perguntado sobre a cobrança em cima das metas na empresa, Carlos retomou o discurso de que os profissionais das cooperativas são tratados como seres humanos. E o que isso quer dizer?

Basicamente, podemos entender que não existe cobrança exagerada no dia a dia. Isso, claro, se você é focado no trabalho e sempre cumpre suas obrigações. Com planejamento anual (e até mesmo mensal), o trabalho na cooperativa é pautado num bom ambiente, onde todos sabem de sua obrigação.

Ana lembra que as equipes são acompanhadas pelos gestores de sua agência. As metas são distribuídas conforme cada carteira, e o perfil de cada associado é levado em consideração para que aja um acompanhamento mais assertivo e humano.

Oportunidades na carreira

Este é um ponto em que Ana e Carlos concordam (e certamente comemoram) sobre trabalhar em uma cooperativa de crédito. As chances de você evoluir e ser recompensado é gigantesca.

Carlos conquistou recentemente uma estabilidade financeira diretamente conectada ao aumento que recebeu no trabalho. A felicidade de ser reconhecido e remunerado de maneira justa é um ponto importante em qualquer emprego.

A história de Ana vem com mais detalhes. Ela conta que começou como estagiária, atendendo associados no caixa eletrônico. Seis meses depois, estava efetivada. Durante três anos, permaneceu no cargo até que foi promovida a Gerente de Carteiras PJ em uma das principais carteiras da cooperativa.

Portanto, lembre-se: esforço e dedicação são bem vistos, principalmente em uma cooperativa de crédito. E a recompensa vem se você lutar por isso.

A demanda por profissionais certificados

descubra a certificação ANBIMA certa
As certificações estão em alta no mercado financeiro.

Assim como no banco, as certificações ANBIMA têm sua importância nas cooperativas.

A CPA-10 é cobrada de praticamente todos os colaboradores. Ela é a porta de entrada para o mercado financeiro. Nos cargos de gerência, nossos entrevistados contam que todos já passuem a CPA-20, o que escancara a necessidade de ter, no mínimo, esta certificação caso você queira subir de cargo.

Carlos diz que a cooperativa enxerga as certificações como parte do processo de atuação dos colaboradores. Se você possui alguma delas, está colaborando para um trabalho cada vez melhor da equipe.

E você, está pronto para trabalhar em um cooperativa de crédito?

É incrível como Carlos e Ana repetiram algumas vezes que a cooperativa é um ambiente bom para se trabalhar. Ambos sentem que as pessoas lá se tratam de maneira justa e amistosa. Isso, por si só, já deveria ser um motivo para de trabalhar em uma cooperativa de crédito.

Una isso ao fato de que as recompensas e oportunidades de carreira estão sempre presentes, e tenha um ótimo para se construir amizades e evoluir profissionalmente. Mas sem esquecer da importância das certificações e dos estudos para se manter atualizado no mercado.

Nossa escola já ajudou milhares de alunos que nunca tinham tido contato com o mercado financeiro. Se você é uma dessas pessoas que nunca trabalhou em bancos ou cooperativas, passe aqui no nosso site pra conhecer o curso da CPA-10. A certificação básica da ANBIMA te dará o conhecimento que você precisa para começar nesta carreira!

Se você já possui sua certificação, prepare seu currículo e comece a batalhar pelo seu espaço nesse mercado. Temos um post que pode muito te ajudar, em que ensinamos a usar o selo ANBIMA no currículo.

Deixe aqui seu comentário e conta pra gente: você gostaria de trabalhar em uma cooperativa e crédito?

1+

Compartilhar este post:

Deixe o seu comentário!