Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Fatura do cartão em dólar terá cotação do dia da compra

A fatura do cartão em dólar sempre foi um problema para os brasileiros.

Sabe como é, nossa moeda não é tão forte assim. Nem muito estável. Então a fatura do cartão de crédito sempre vinha com a variação do dólar (e muitas vezes ele estava mais caro do que no dia que a compra foi feita).

Mas isso tem data pra acabar. E é sobre essa mudança que falaremos neste texto.

Banco Central muda a regra para 2020

Na quarta-feira passada, dia 28 de Novembro, o Banco Central noticiou a esperada mudança. A partir de 2020, os bancos serão obrigados a mostrar ao cliente quanto ele gastou em real no momento de uma compra em dólar.

A fatura do cartão em dólar mostrará a identificação da moeda, os detalhes de cada gasto em dólar e o valor equivalente em real. Ela também mostrará a data de cada compra e o câmbio do dia.

Ou seja, o cliente saberá quanto o dólar estava valendo no dia e os valores envolvidos na “transformação” de dólar pra real.

Dolar X Real - T2 Educação

Imagina se 1 dólar estiver valendo 5 reais? A sua fatura será um terror.

Transparência entre banco e cliente

O próprio Banco Central disse, em nota oficial, que essa mudança trará mais transparência aos clientes. As taxas de conversão dos bancos estarão ali, para todos verem e compararem com outros serviços iguais.

Em 2020, os bancos serão obrigados a oferecer o pagamento da fatura no dia do gasto. Mas escolher pelo fechamento da fatura também será possível. Um não exclui o outro.

Há, porém, nesta (não tão) nova maneira de cobrança, um senso de justiça.

Nada mais justo do que pagar a cotação do dia

Aqui é onde eu coloco um pouco da minha opinião. E acredito que muitos de vocês pensem assim também.

Quando a gente junta aquela grana suada pra viajar pra fora, queremos pagar a menor taxa possível no câmbio. Com o dólar baixo (ou o real mais forte, se preferir), podemos comprar mais coisas na viagem. Fazer mais passeios. Gastar menos e aproveitar mais.

Não é justo que paguemos o valor do dólar no dia em que fizemos a compra? Pesquisamos e esperamos a taxa boa pra no final da fatura pagarmos mais caro por cada dólar?

Acredito que ninguém gostaria disso. Portanto essa mudança protege a nós, como clientes, e nos ajudam a aproximar o cliente, enquanto bancários.

O Risco de fazer compra em dólar

Quando você faz uma compra internacional com seu cartão de crédito existe um gap entre a data da compra e a data de pagamento. Dependendo do caso, você pode ter até 40 dias para pagar, certo? Imagine se nesse período o dólar dispara. É um risco, certo? Então estamos dizendo que, para a instituição financeira, existe um risco de cobrar a fatura no dia da compra, né?

Pensa assim: você gasta hoje, isso significa que o banco te empresta em dólar hoje e paga reais daqui 40 dias. Isso significa que o banco recebe esse empréstimo com 40 dias. Mas, e se por um acaso o dólar sobe? Quer dizer que o banco vai emprestar uma quantia mas, a depender da variação cambial, pode receber um valor menor do que emprestou. E para isso que existe o mercado de derivativos.

Ainda não chegamos nesse nível de tecnologia. Mas é possível usar o mercado de derivativos para investir no futuro.

A instituição financeira pode se proteger dessa oscilação de preço do dólar no mercado de derivativos. Neste mercado a instituição financeira (qualquer pessoa, na verdade) pode negociar contratos que serão liquidados no futuro com um preço previamente determinado.

No exemplo do cartão de crédito vai ficar assim:
Imagine que hoje, milhares de clientes usaram seus cartões para compra no exterior e que a soma dessas compras seja U$ 1.000.000,00 e que a cotação do dólar esteja em R$ 3,00. Assim, esse banco sabe que vai receber R$ 3.000.000,00 quando seus clientes pagarem a fatura.

Agora exagere um pouco na cotação e leva o dólar para R$ 4,00 no dia do pagamento da fatura. Os clientes pagarão R$ 3.000.000,00 por algo que vale R$ 4.000.000,00. Ou seja, o banco tomou um prejuízo de R$ 1.000.000,00, certo?

A solução

Para evitar esse prejuízo, no dia da compra do seu cliente, pode comprar uma NDF de dólar a R$ 3,00.

Assim, no dia da liquidação da NDF o banco poderá comprar dólar (liquidado em reais) pelo preço de R$ 3,00. Se estiver cotado a R$ 4,00, como no exemplo, o banco poderá comprar por R$ 3,00 algo que está valendo R$ 4,00.

Como essa é uma operação de NDF, ele não comprará o dólar em si, mas será liquidado pela diferença. Ou seja, vai receber R$ 1,00 por dólar negociado. Assim, se ele negociou U$ 1.000.000,00 vai receber por essa operação exatamente R$ 1.000.000,00 que, somado ao valor que receberá dos clientes, terá recebido R$ 4.000.000,00. Ou seja, sem nenhum prejuízo.

Isso é que chamamos no mercado de Hedge e, cá entre nós, é muito mais fácil para o banco fazer isso do que para seu cliente que está preocupado com a fatura no final do mês, né?

Alguns bancos já fazem isso!

Pagar a fatura do cartão em dólar usando a cotação do dia não é novidade no Brasil.

Diferente dos grandes bancos, os bancos digitais, como o Nubank, já fazem este tipo de negociação. Eles perceberam, antes dos “medalhões” do mercado financeiro, que havia mais sentido neste modelo de cobrança.

Logo Nubank - T2 Educação

O que podemos tirar disso? Que o mundo está mudando, e os bancos precisam mudar junto.

Pensar no cliente é a base para tudo. No final, são as pessoas, e como elas se relacionam com os bancos, que vão ditar a evolução ou não dos modelos de funcionamento do sistema financeiro.

E vocês precisam estar preparado para elas, bancário e bancária.

Tiago Feitosa
Tiago Feitosa

Graduado em Matemática e pós graduado em negócios bancários pela FAAP. Possui as certificações CPA10, CPA20, CEA e AAI, além disso é Consultor de Valores Mobiliários credenciado na CVM. Se dedica a ajudar cada vez mais pessoas a se capacitarem profissionalmente.

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Você também pode se interessar por

Acesso Rápido
entenda o que é o ipca acumulado

IPCA Acumulado: O Que É E Como Ele Influencia O Mercado

Se você é uma pessoa antenada nas notícias, provavelmente, já ouviu falar do IPCA acumulado, né? De vez em quando, esse termo aparece nos noticiários, como um dos indicadores mais importantes do país.  Mas, afinal, do que se trata esse tal de IPCA? Será que ele influencia na minha e na sua vida? Tenho certeza…

Ler mais